Meu Perfil
BRASIL, Sul, CURITIBA, Homem, de 56 a 65 anos



Histórico
 Ver mensagens anteriores



Categorias
Todas as mensagens
 Citação
 Opinião
 Personagens
 Perguntar não ofende...
 Literatura
 Memória, quase história...


Outros sites
 BUSCA NO BBLOG E NO SITE
 SITE DO ROMILDO
 NORDESTEWEB
 * Alceu Valença
 * Geraldo Azevedo
 ITALIAOGGI
 * Cozinha Italiana
 * Notizie d´Italia
 ANABB
 * Coop-ANABB
 COOPERFORTE
 * Instituto COOPERFORTE
 BANCO DO BRASIL
 AABB
 AFABB-PR
 ANAPAR
 * Guia do Participante-Fundos
 APABB
 BBCOOP
 CASSI
 CCBB
 CONTEC
 CONTRAF
 FBB
 FECOB
 FENABB
 PREVI
 * Lista de Conselheiros
 SATÉLITE
 UOL
 BLOG DO NOBLAT
 BLOG DO JOSIAS DE SOUZA
 BLOG DO F. RODRIGUES
 BLOG DO REINALDO AZEVEDO
 RADAR ONLINE
 BLOG DO JORGE B. MORENO
 BLOG DO JEFFERSON
 BLOG DO NASSIF
 BLOG DO ZÉ DIRCEU
 BLOG DO CLAUDIO W. ABRAMO
 BLOG DO MARCELO TAS
 BLOG DO GENETON M. NETO
 ÀS CLARAS
 CONTAS ABERTAS
 O CHEFE - IVO PATARRA
 INTERLEGIS
 TERRA ELEIÇÕES
 POLÍTICOS DO BRASIL
 TRANSPARÊNCIA
 TSE
 UOL ELEIÇÕES
 VOTE BRASIL
 VOTO ÉTICO


 
BBlog: o BB, seus funcionários e Entidades (Blog do Romildo)


Novo Endereço do BBlog

O novo BBlog pode ser acessado através do endereço: http://www.romildo.com/blog

Espero sua visita



Escrito por Romildo, de Curitiba, às 20h17
[] [envie esta mensagem]



Muita Solidaridade em 2007

Sempre participei de entidades de funcionários do Banco do Brasil – e até de outros segmentos – movido por um sentimento principal, a Solidariedade. Foi assim quando me tornei dirigente da pequena AABB de Serra Talhada; quando fui um dos fundadores e fiz parte do primeiro Conselho Deliberativo da APPD-PE – Associação dos Profissionais de Processamento de Dados de Pernambuco – embrião do atual SINDPP; quando integrei o primeiro grupo de bancários, em Pernambuco, que ainda nos anos 70 iniciou a luta pela retomada do sindicato, à época nas mãos dos interventores da ditadura militar.

No ano de 2006, que agora se encerra, as entidades das quais participo têm somente histórias de sucesso a apresentar:

  • a Anabb, de cujo Conselho Deliberativo participo, continua avançando nas conquistas de benefícios em favor dos seus integrantes, que alcançam o extraordinário número de 100 mil associados, o que a torna a maior associação de funcionários do País;

  • a Cooperforte (onde sou Conselheiro de Administração), cujo número de associados ultrapassa os 80 mil (somente este ano conquistou mais de 10 mil novos cooperados) se consolida cada vez mais como a maior cooperativa de crédito do Brasil, ofertando créditos a juros muito baixos e pagando taxas aos seus aplicadores que superam o CDI, graças a uma condução administrativa muito eficiente, o que permite trabalhar com “spreads” ínfimos;

  • a Previ, de cujo Conselho Consultivo do Plano 1 sou Coordenador, termina o ano com um patrimônio de 100 bilhões de reais, o que a distingue como o maior fundo de pensão do Brasil.

Tanto sucesso – que demonstra cada vez mais a capacidade empreendedora dos funcionários do Banco do Brasil e das demais instituições financeiras públicas federais – somente aumenta a nossa responsabilidade em relação ao futuro. É preciso continuar crescendo, é necessário incrementar as conquistas até agora consolidadas, mas é preciso sobretudo traduzir esse sucesso em resultados concretos para os seus associados.

Por isso faço votos de que a Solidariedade continue sendo a palavra-chave em 2007. A luta é de todos, mas os resultados também devem ser igualmente de todos. Isto parece óbvio, mas é preciso que seja repetido exaustivamente para que a vaidade ou o individualismo não ofusquem essa verdade.

Um abraço fraterno e um feliz Ano Novo para todos.

Romildo Gouveia Pinto

 

PS – Infelizmente a Cassi - Caixa de Assistência dos Funcionários do BB, da qual não não sou dirigente desde o ano 2000 - continua vivendo uma situação crítica, cuja responsabilidade não pode deixar de ser atribuída ao Banco do Brasil, que descumpre o estatuto da entidade e que tem tratado os seus problemas com pouca atenção e até de forma desrespeitosa.

Mas mesmo na Cassi não podemos deixar de destacar o sucesso do plano Cassi Família, que completará 10 anos em 2007, o qual demonstra - ao ser gerido por dirigentes eleitos e sem a interferência do Banco do Brasil em sua receita - a responsabilidade e a capacidade e dos funcionários do BB.

Finalmente, não posso deixar de manifestar meu orgulho pessoal pelo sucesso do Cassi Família, tendo sido este desenvolvido quando eu era Presidente da Caixa e implementado quando eu era Vice-Presidente e/ou Presidente em exercício do Conselho Deliberativo. Como um dos “pais” do plano, é com orgulho que vejo que hoje ele dá proteção a quase 300 mil “filhos”, muitos dos quais com mais de 100 anos de idade, que não teriam acolhida em nenhum outro plano de saúde do Brasil.

O nome disso também é Solidariedade.

PS2: o novo BBlog pode ser acessado através do novo endereço: http://www.romildo.com



Escrito por Romildo, de Curitiba, às 14h16
[] [envie esta mensagem]



Um Feliz e Divertido Natal

Desejo a todos os bbnautas e internautas em geral um Feliz e muito divertido Natal 2006.

Que 2007 seja um ano de muitos prazeres, muita luta e grandes conquistas.

Um grande abraço a todos.

Romildo

PS: o mesmo para os que navegam nossos sites NordesteWeb e ItaliaOggi

PS2: o novo BBlog pode ser acessado através do endereço: http://www.romildo.com



Escrito por Romildo, de Curitiba, às 19h59
[] [envie esta mensagem]



Novo BBlog - aviso aos bbnautas

Primeiramente, em maio de 2002, criei o Site do Romildo. Depois - mais precisamente às 09h21min do dia 2 de outubro de 2005 - veio o BBlog - Blog do Romildo, tratando dos mais variados assuntos relacionados ao sistema financeiro nacional, principalmente aos bancos públicos e, mais particularmente ainda, discorrendo sobre o que se refere ao Banco do Brasil, seus funcionários e suas entidades.

Assim, o sindicalismo, o associativismo, o cooperativismo e o microcrédito passaram a ser temas constantes deste blog. Da mesma forma, foram milhares de notas neste período relacionados à Anabb, aos sindicatos de bancários e suas federações e confederações, às AABB, à Fenabb, à Cooperforte, à Previ, à Cassi, às cooperativas de consumo e à sua federação, à Apabb, à Fenabb, ao Satélite etc. etc.        

Agora, transcorrido pouco mais de um ano inicio uma nova fase do BBlog, unificando num só endereço o Site do Romildo e o BBlog. Embora por algum tempo ainda possam ser acessados, o site no endereço http://www.romildo.com/index.htm e o antigo BBlog (que recebeu neste período cerca de 35,5 mil visitas) no atual endereço, não mais serão atualizados. O novo BBlog unificará os conteúdos dos dois veículos e será acessado através do endereço: http://www.romildo.com

Desta forma, os bbnautas poderão encontrar em apenas um endereço um permanente debate sobre as coisas que dizem respeito aos seus interesses e aos interesses do País, representados pelo segmento que se relaciona com o Banco do Brasil.

Espero que esta nossa relação continue por muitos anos.

Romildo Gouveia Pinto



Escrito por Romildo, de Curitiba, às 18h53
[] [envie esta mensagem]



A FARRA DOS BANCOS

Bancos insistem em mudar a TR

Fórmula impede que taxa caia com os juros, o que incentiva aplicações em poupança e provoca distorções

Rosangela Dolis

Instituições financeiras insistem em que o governo precisa rever a fórmula de cálculo da Taxa Referencial (TR), e conseqüentemente do rendimento da caderneta de poupança, por causa do corte dos juros. A taxa básica caiu de 18% ao ano em janeiro para 13,25%. A medida seria necessária para evitar distorções no segmento de crédito imobiliário e migração de fundos de renda fixa menos rentáveis para a caderneta.

'Temos preocupação com a fórmula que define a TR', afirmou o diretor de crédito imobiliário da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e vice-presidente da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), Natalino Gazonato, na quinta-feira. 'Ela impede que a taxa acompanhe as reduções da taxa básica de juros (Selic)'. Segundo Gazonato, isso impõe a quem toma financiamento habitacional correção maior do que se a TR seguisse a queda do juro. Entidades que representam mutuários dizem que o efeito da TR sobre o financiamento é pequeno. 'O grande vilão são os juros de até 12% ', diz Amauri Bellini, presidente da Associação Brasileira de Mutuários da Habitação.

Gazonato disse haver também apreensão com um descasamento dos prazos de captação de recursos de poupadores e dos contratos de financiamento com esse dinheiro, caso haja uma entrada de recursos muito forte na caderneta. O receio é de que haja uma reversão no cenário e a poupança volte a se tornar pouco rentável, situação que provocaria fuga da aplicação. Dessa forma, as instituições ficariam com uma proporção muito elevada de recursos aplicados no longo prazo sem a contrapartida dos depósitos.

O professor de matemática financeira José Dutra Vieira Sobrinho acredita que em algum momento o governo vai ter de alterar o cálculo da TR. 'O risco de não fazer isso é provocar um forte desequilíbrio nas captações do mercado financeiro, com a concentração de recursos para financiamento imobiliário e falta de dinheiro em outras linhas de crédito ao consumidor', diz. Do dinheiro captado em poupança, os bancos precisam destinar 65% para financiamentos habitacionais. Já as captações para linhas de crédito ao consumidor são feitas com títulos bancários, que poderiam ter a emissão reduzida.

Dutra explica que a base de cálculo da TR é a taxa média dos títulos bancários. Sobre essa média, é aplicado um redutor. Ocorre que esse redutor cai junto com a taxa de juro - com os juros a 13,75% ao ano, o redutor era de 36% e a TR, 0,18%; se o juro cair para 12% ao ano, o redutor será de 28% e a TR continuará em 0,18%.

Dutra diz que a revisão é necessária também porque isso coloca o Brasil na contramão de outros países. 'A caderneta é acessível a todos, tem a maior garantia do mercado, e em nenhum país uma aplicação com essas características é tão competitiva como ela agora.' A diretora de Recursos Humanos Cláudia Possebon está entre os 75 milhões de poupadores do País. 'A praticidade e a garantia de que o dinheiro vai estar lá me dão tranqüilidade.'

FUNDOS

Em novembro, a caderneta teve captação recorde no ano de R$ 2,644 bilhões e os fundos de renda fixa perderam R$ 2,029 bilhões, mas os bancos negam fugas dos fundos menos rentáveis para a caderneta. A Associação Nacional dos Bancos de Investimento(Anbid) diz que não há preocupação com a concorrência da caderneta.

'É simplório dizer que isso coloca em xeque a indústria de fundos', diz Marcelo Giufrida, presidente da entidade. O setor, ele diz, comemora este ano o melhor resultado da história, com captação líquida (depósitos menos saques) de R$ 70 bilhões.

Fonte: Agência Estado



Escrito por Romildo, no RIO, às 12h21
[] [envie esta mensagem]



PREVIDÊNCIA

Fraude representaria quase todo o rombo da Previdência

De um total de R$ 146 bi pagos em 2005, por exemplo, R$ 33,5 bi, foram pagos indevidamente. O valor fica próximo do déficit registrado no ano, de R$ 37,5 bi

Rosa Costa e Isabel Sobral

BRASÍLIA - Grande parte do rombo da Previdência decorre do pagamento ilegal de benefícios, segundo relatório de auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU). De um total de R$ 146 bilhões pagos em 2005, por exemplo, R$ 33,5 bilhões, foram pagos indevidamente. O valor fica próximo do déficit registrado no ano, de R$ 37,5 bilhões, aponta o relatório, feito por amostragem de dados obtidos em todos os Estados brasileiros.

O relatório foi aprovado por unanimidade na quarta-feira. O ministro-relator, Marcos Vilaça, ressalta que, de uma amostra de 55.412 benefícios, foram analisados 7.053, sendo que 23% apresentaram irregularidades. A mais constante (66,1%) se refere a pagamentos a beneficiários mortos. Em seguida, com 22,8%, aparecem pessoas que acumulam benefícios, os favorecidos por fraudes na concessão do benefícios por idade (6,3%) e os que receberam valor superior ao teto previdenciário (4,8%).

O Ministério da Previdência Social, por meio da assessoria de comunicação, evitou qualificar o relatório do TCU. Mas em nota distribuída no início da noite, o Ministério afirmou que as conclusões do tribunal só se aplicam ao universo de benefícios selecionados para a auditoria - e que o resultado que aponta irregularidades em 23% da amostra não pode ser extrapolado aos demais benefícios. "Portanto, os não selecionados (23,545 milhões) não se enquadram na hipótese de pagamento indevido", sustenta o Ministério.

Medidas

O déficit da Previdência, que deve passar de R$ 42 bilhões neste ano, tem motivado uma polêmica entre os que defendem uma nova reforma estrutural para estancá-lo e os que sustentam ser possível reduzir o rombo com melhoria da gestão do sistema. O TCU não entra no mérito dessa discussão.

Com base no relatório, o Tribunal determinou ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que adote uma série de medidas para vedar os pagamentos irregulares. Entre elas , suspender e ressarcir a União dos valores pagos indevidamente e intensificar a fiscalização. De acordo com Vilaça, os auditores cruzaram dados do INSS e dos cadastros de eleitores do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e da Receita Federal e os registros de óbitos no Ministério da Previdência Social.

Mato Grosso é o campeão de fraudes

O Estado de Mato Grosso, com ocorrência em 71% dos casos, sendo 75% referente ao acúmulo ilegal de benefícios, é o recordista em irregularidades. Em seguida estão o Rio Grande do Norte (49% das ocorrências), Amazonas (46%) e São Paulo (36%). Uma das maiores dificuldades enfrentadas pela equipe de auditores foi a localização dos processos. O Tribunal determinou ao INSS que faça a reconstituição dos que não forem localizados. Outra dificuldade é a incapacidade do INSS de verificar a veracidade do CPF do beneficiários.

73 benefícios acumulados

A auditoria identificou 14 pessoas que têm 10 ou mais benefícios em seu nome. A recordista da relação, Magda dos Santos Lucena, tem 73 benefícios. No total, foram encontradas 1.076 pessoas com quatro ou mais benefícios acumulados. Na base de dados da Previdência foram encontrados ainda 27.696 números de CPF que acumulam três ou mais benefícios e 3,4 milhões com o CPF zerados.

Outro problema, segundo a auditoria, são os 1,3 milhão de titulares de benefícios cujos sobrenomes estão abreviados, "o que dificulta o cruzamento de informações". Foram ainda detectados no banco de dados da previdência 100 benefícios com valor mensal superior à remuneração de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), de R$ 24,5 mil. São ex-pracinhas, aeronautas e outras categorias beneficiárias da legislação especial da Previdência. O TCU recomendou ao INSS que respeite o teto salarial, como manda a lei.

A auditoria chamou a atenção para o aumento no número de requerimentos de auxílio-doença, que passou de 1,2 milhão em 2001 para 3,2 milhões em 2004. O aumento foi de 166%. São Paulo foi o Estado onde houve maior quantidade de benefícios, com 41,11% do total, seguido do Rio de Janeiro, com 10,06% e Minas Gerais (10,04%). As agências de Suzano, com 15.961 pedidos, e Barueri (8.828), ambas em São Paulo, e Palhoça, com 4.969 pedidos, em Santa Catarina, são recordistas na concessão desse benefício.

Fonte: Agência Estado



Escrito por Romildo, no RIO, às 12h17
[] [envie esta mensagem]



PROTESTO CONTRA BB EM MS

Produtores ameaçam fechar agências do BB em 03 cidades

WALTER J. SILVA

Pelo menos 1.388 agricultores ameaçam fecharam as agências do Banco do Brasil em Mundo Novo, Itaquiraí e Naviraí na próxima semana conforme reunião do GETIM (Grupo de Trabalho Intermunicipal) que trata das questões em defesa dos produtores que foram atingidos pela crise da febre aftosa em outubro de 2005.

De acordo com o GETIM, o problema está focado hoje na não liberação pelo Banco do Brasil de créditos no valor de R$ 8,5 milhões correspondente a 1.388 contratos protocolados nas agências da instituição em Mundo Novo, Itaquiraí e Naviraí, sendo que desse total 635 estão em Mundo Novo, 742 em Itaquiraí e 108 em Naviraí.

Esses recursos são referentes à Resolução nº 3.374, de 19 de junho de 2006, do CMN (Conselho Monetário Nacional), que disponibiliza crédito especial no valor individual a cada agricultor de R$ 6 mil com até 3 anos de carência e prazo de até 10 anos para quitação com juros de 1% ao ano para reconversão e revitalização da unidade familiar desses agricultores que tiveram o gado abatido em virtude do foco de aftosa.

Esses créditos poderiam estar sendo acessados desde setembro de 2006 quando a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Agrária começou a elaboração dos projetos incluindo as renegociações das dividas. Em todos os municípios os técnicos do governo do Estado trabalharam, inclusive fazendo horas extras, para atender a demanda dentro do prazo pactuado pelo BB que finalizou em 30 de outubro.

De lá para cá, dos 1.388 projetos protocolados, apenas 129 tiveram liberação. Ainda, deste total de projetos, cerca de 15% foram devolvidos pelo Banco do Brasil com a alegação de que os mesmos não eram público alvo. Essa justificativa do BB causou revolta perante os agricultores, já que, segundo a instituição financeira aqueles que não têm operações Pronaf não podem acessar o crédito especial incluindo aqueles que já quitaram as operações com os recursos das indenizações pelo abate do gado.

O GETIM preocupado com esta situação, em reunião nesta semana em Itaquiraí com representantes desses municípios, discutiu a situação incluindo a preocupação também por parte do Ministério do Desenvolvimento Agrário que acompanha o problema. O coordenador-geral de Financiamento à Produção Rural do Ministério, João Guadagnin, comunicou que o Banco do Brasil pode não efetivar esses contratos antes de 30 de dezembro em virtude de dificuldades técnicas encontradas nas agências.

Com isso, os agricultores do Cone Sul do Estado que estão nos municípios afetados pela crise da febre aftosa marcaram para esta sexta-feira uma reunião emergencial com os prefeitos de Mundo Novo, Japorã, Eldorado, Iguatemi, Itaquiraí e Naviraí para definirem apoio político para tratar o assunto. Além disso, o GETIM deverá mobilizar todos os 1.388 agricultores para protestarem junto às agências do BB nesses municípios.

Essas ações incluem o fechamento das agências na busca de uma resposta para a situação e ainda reforçar o pedido do Ministério ao Fundo Monetário Nacional para que na próxima reunião que será realizada neste mês mude a redação de um dos artigos da 3.374 que não foi colocado em pauta na reunião do CMN no dia 30 de novembro em Brasília (DF).

Fonte: Costa Rica News



Escrito por Romildo, no RIO, às 09h57
[] [envie esta mensagem]



GERENTE DO BB CONDENADO

Ex-gerente do BB é condenado a 14 anos de prisão

O ex-gerente do Banco do Brasil, Josimar Pereira de Souza, foi condenado a mais de 14 anos de prisão. Ele planejou a morte da aposentada Laura Bezerra dos Santos, 81 anos, depois de desviar mais de R$ 100 mil de sua conta bancária. O julgamento terminou na madrugada da última quarta-feira (6).

O acusado negou a participação no crime durante o interrogatório, mas foi considerado culpado pelo juri. O juiz Edilberto Martins de Oliveira, que presidiu o julgamento, condenou o réu a 14 anos, 4 meses e 24 dias de reclusão. Inicialmente, a pena deverá ser cumprida em regime fechado.

O julgamento aconteceu na terça-feira. Pela manhã, acusado foi interrogado. No período da tarde, foram lidas peças processuais com os trechos mais importantes de depoimentos de várias testemunhas que haviam falado na primeira fase do processo. Após a leitura, o júri ouviu o depoimento da vítima. Em seguida, de Darcy Garbeline, médica que cuidava de Laura Bezerra antes do crime. As outras testemunhas foram dispensadas. As partes entenderam que os depoimentos já haviam sido esclarecedores. Após ouvir a médica, o júri presenciou a fase de debates, que se estendeu até a madrugada, seguida da sentença.

O crime
Ao desconfiar que o gerente desviava dinheiro de sua conta, Laura Bezerra decidiu escrever uma carta ao banco cobrando todos seus extratos. Para não ser desmascarado, Souza decidiu silenciá-la, mas o crime não se consumou.

O autor da tentativa de homicídio é o pedreiro Valério Rodrigues. Em maio de 2006, Valério se passou por entregador de biscoitos e foi até o quarto da vítima no hotel Naoum Plaza. Ele tentou asfixiá-la, mas a idosa sobreviveu ao atentado. No mês passado, ele foi condenado a 14 anos de prisão. O pedreiro confessou ter sido contratado por Maedson de Souza Rodrigues, primo do gerente do banco. O júri considerou, nesta madrugada, que Souza arquitetou o plano. Maedson ainda aguarda julgamento preso, marcado para fevereiro de 2007.

Fonte: CorreioWeb



Escrito por Romildo, no RIO, às 16h30
[] [envie esta mensagem]



CONSIGNADO

Crédito consignado do BB tem taxa mensal inferior a 1%

O Banco do Brasil passa a cobrar juros menores nos empréstimos com consignação em folha de pagamento do INSS (Instituto Nacional de Seguridade Social) já a partir desta sexta-feira. As taxas do convênio INSS passam a variar entre o mínimo de 0,95% ao mês até o valor máximo de 2,30% ao mês.

Os empréstimos para aposentados e pensionistas do INSS são escalonados de acordo com o prazo do contrato. Nas operações parceladas em até seis vezes, a taxa foi reduzida de 1,20 para 0,95% ao mês. Os contratos com prazo entre sete e 12 meses têm agora taxa mensal de 1,70%, ante os 1,87% ao mês cobrados anteriormente.

As taxas também caíram para empréstimos com prazo de 13 a 24 meses, com variação de 2,29% ao mês para 2,16%. Já ataxa máxima (válida para os financiamentos com prazo de 25 a 36 meses) foi diminuída de 2,44% ao mês para 2,30% ao mês.

Desta vez, a decisão não está diretamente vinculada à redução da taxa Selic, apenas. O cenário de redução dos juros no país, com a conseqüente diminuição dos custos de captação e a redução constante da inadimplência, além da melhoria nos índices de eficiência operacional que resulta da crescente automatização dos processos de contratação de operações de crédito, possibilitaram ao BB oferecer condições mais vantajosas aos seus clientes.

A linha do Banco do Brasil pode ser contratada por cerca de 19 milhões de beneficiários da Previdência Social autorizados a tomar o crédito. Desse total, 4,6 milhões de aposentados e pensionista possuem domicílio bancário no Banco do Brasil e podem receber o valor financiado diretamente em suas contas correntes.

O saldo em carteira acumulado da linha de crédito para aposentados e pensionista do BB é de R$ 1,3 bilhão -o que equivale a 17% da carteira total do crédito consignado do banco. O valor médio do empréstimo consignado para beneficiários do INSS é de R$ 900.
 
Fonte: Jornal do Commercio-RJ


Escrito por Romildo, no RIO, às 16h28
[] [envie esta mensagem]



CRISE NA COBRA TECNOLOGIA

Fundo não tira Cobra de crise financeira

André Borges

Em meados de agosto, quando a Cobra Tecnologia anunciou a criação de um fundo para levantar R$ 250 milhões junto a investidores, um churrasco foi organizado na sede da empresa, no Rio de Janeiro. Funcionários comemoraram a chegada dos recursos que finalmente poderiam dar jeito ao caos financeiro que tem dominado a companhia há dois anos. Mas o fato é que a festa já acabou. E o dinheiro também.

Desde que passou a oferecer as cotas do chamado Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC), o Banco do Brasil, controlador da empresa de informática, conseguiu arrecadar cerca de R$ 200 milhões para a estatal, dinheiro que imediatamente passou a ser usado para pagar dívidas e cobrir as despesas operacionais da Cobra.

As complicações financeiras da companhia, porém, estão longe do fim. Neste ano - após o prejuízo de R$ 57,2 milhões registrado em 2005 - o que se esperava era lucro. Pelo menos é o que chegou a projetar Jorge Wilson, que foi funcionário do Banco do Brasil por 26 anos e que ocupa interinamente o cargo de presidente da empresa.

Mas o que já se tem de concreto, conforme informações a que o Valor teve acesso, é um prejuízo de R$ 24,4 milhões registrado entre janeiro e setembro deste ano, resultado que decepcionou a diretoria da companhia e levou à revisão da maior parte de suas metas.

Ainda no mês passado, a diretoria da Cobra se reuniu para discutir projeções. A expectativa era fechar 2006 com uma receita operacional de R$ 578 milhões, mas com os R$ 321 milhões somados até setembro, esse objetivo já foi descartado. Os números também aludiam para um retorno de 30% sobre os investimentos feitos durante o ano, quando o índice acumulado nos três trimestres de 2006 foi de -2,22%.

Para 2007, até duas semanas atrás se falava em atingir nada menos que 50% de retorno sobre os investimentos da companhia.

O Valor procurou a diretoria da Cobra para comentar os resultados, mas a empresa alegou que, conforme regras da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), está em período de silêncio devido à distribuição das cotas de seu fundo. Uma fonte da empresa, porém, que preferiu não se identificar, comentou a situação: "Não chegaremos ao que foi projetado porque as vendas de equipamentos e licenças estão bem abaixo do esperado e bem menores que em 2005."

A Cobra justifica que boa parte de seus problemas está atrelada ao não recebimento de serviços prestados. Desde 2005, a empresa aguarda pagamentos que somam R$ 64,9 milhões. Até agora, não recebeu. Ironicamente, entre os maiores devedores da empresa, segundo uma fonte, está outra estatal: a Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (Dataprev). Procurada pelo Valor, a Dataprev reconheceu, por meio de sua assessoria de comunicação, a existência da dívida com a Cobra, mas também alegou dificuldades financeiras para pagar o que deve.

Acontece que a cifra do que a Cobra tem para receber está longe de cobrir suas dívidas. Entre janeiro e setembro, a empresa acumulava R$ 138,4 milhões em aberto com seus fornecedores. O endividamento bancário da companhia, que em 2004 foi de R$ 24,4 milhões, atingiu R$ 93,1 milhões nos três trimestres deste ano. O Banco do Brasil, por meio de sua assessoria de comunicação, informou que os recursos do fundo de créditos estão sendo utilizados para cobrir as dívidas da empresa. "É preciso entender que o FIDC não vai resolver todos os problemas. O que ele permite é obter um prolongamento da dívida", declarou o banco.

Nos últimos dias, o presidente interino da Cobra, Jorge Wilson, em reunião com a diretoria da empresa, declarou que a maior parte do recursos do FIDC já havia sido usada para cobrir dívidas, e que a companhia só iria para frente se todos os funcionários se envolvessem com a empresa. As declarações geraram um clima de descontentamento. Nos corredores da Cobra, já se fala sobre a saída de Wilson da liderança da empresa.

Aparentemente, o próprio executivo nunca fez mesmo muita questão de permanecer no cargo. Chegou a dizer algumas vezes que seu papel foi conduzir a empresa apenas em seu momento emergencial. Wilson é presidente interino há dez meses.

O pior momento da crise, contudo, já passou, segundo a assessoria de comunicação do BB. "É evidente que a empresa tem fragilidades financeiras. Por isso não vai resolver seus problemas em apenas um dia."

O Banco do Brasil continua ofertando as demais cotas do fundo de créditos, as quais ainda somam cerca de R$ 50 milhões. A expectativa é de que os papéis sejam distribuídos nos próximos dois meses. "Com o FIDC, a sangria estancou. Foi um passo para tirar o tubo de oxigênio e deixar a empresa respirar", diz uma fonte da Cobra.

O Valor apurou que a empresa já discute uma segunda injeção de capital, mas desta vez feita diretamente pelo Banco do Brasil. O BB, que detém 99,35% do capital social da Cobra - outro acionista é a Atrium Participações, com 0,56% do capital - confirma que está avaliando a operação, mas acrescenta que ainda não há qualquer definição sobre o assunto.

Mesmo sem dinheiro, a Cobra segue fazendo planos. Até o fim de 2008, seu objetivo nada mais é que o de fazer uma oferta pública de ações. As apostas que garantiam um resultado positivo a ponto de levá-la para a bolsa de valores incluem a fabricação de computadores de marca própria, iniciativa que a companhia já chegou a aventar com o seu prometido PC Conectado.

Recentemente, um projeto piloto começou a ser trabalhado no Rio de Janeiro, a partir da fabricação de máquinas com a marca Auria. "Só não estamos produzindo milhares de máquinas porque ainda não temos capital de giro para suportar a operação", diz uma fonte da empresa. "Mas estamos no caminho para isso. Logo também vamos entrar nesse mercado."

Fonte: Valor Econômico



Escrito por Romildo, no RIO, às 13h13
[] [envie esta mensagem]



CRISE NA COBRA TECNOLOGIA

Fornecedor prioriza boa relação com banco

De São Paulo

Os constantes atrasos de pagamento e prorrogações de dívida não são razões suficientes para fazer com que os fornecedores abram mão de vender serviços e produtos para a Cobra Tecnologia. Executivos de duas empresas concordaram em falar ao Valor sobre o assunto, desde que não tivessem seus nomes revelados. Ambos ainda têm dinheiro a receber da estatal.

"A razão de continuarmos com a Cobra é bem simples", comenta o diretor de uma das companhias. "Se não vender para eles, ajudo a empresa a ir para o buraco, e no fim da contas acabo não recebendo o que me devem. Por isso o jeito é manter a bicicleta andando."

Há, no entanto, uma razão bem mais forte que faz com que os fornecedores continuem se submetendo aos riscos dos reveses financeiros da estatal. O motivo chama-se Banco do Brasil (BB). "Na verdade é isso o que sustenta essa situação. Todo o mercado olha para o banco com carinho", comenta o executivo.

Atualmente, a Cobra responde pela pela manutenção, assistência técnica, remanejamento e remoção de todos os equipamentos de automação bancária e terminais de auto-atendimento do Banco do Brasil, em todo o país. Isso sem considerar toda a parte de infra-estrutura interna de tecnologia da instituição.

Segundo informações da própria Cobra, em 2004 o Banco do Brasil investiu R$ 846,3 milhões em tecnologia e infra-estrutura. Em 2005 foram R$ 806,4 milhões. Para este ano, o investimento previsto é de R$ 1,2 bilhão.

"É claro que ninguém que se indispor com o Banco do Brasil. É preciso evitar qualquer mal-estar", comenta um segundo executivo, que diz já ter recebido mais da metade do que a Cobra lhe deve. "Acho que está funcionando bem porque estamos usando nossos instrumentos jurídicos."

Segundo outro fornecedor, o que atrapalha a estatal não é exatamente o fato de ela ser uma intermediária entre o mercado e o BB, mas sim a falta de clareza administrativa. "Ainda tem muito apadrinhamento político. As pessoas ficam brigando por poder e esquecem de gerenciar a empresa."

O executivo, que alega ter boa parte de seus contratos a receber, reclama de que a injeção de capital feita na empresa ainda não refletiu em suas contas com a companhia. "Vemos que a empresa está tentando se reestruturar, mas a situação está bem difícil. Talvez os recursos atuais não sejam suficientes."

Fonte: Valor Econômico



Escrito por Romildo, no RIO, às 13h12
[] [envie esta mensagem]



CRISE NA COBRA TECNOLOGIA

Para BB, companhia errou em ir para o mercado

Tão complicado quanto presumir o futuro da Cobra Tecnologia é entender o que leva uma instituição financeira do porte do Banco do Brasil (BB) a insistir em manter uma empresa deficitária, de patrimônio líquido negativo e sem um posicionamento definido no mercado.

Procurada pelo Valor, a diretoria do banco estatal não quis se pronunciar formalmente a respeito da situação de sua controlada. Por meio de sua assessoria de comunicação, a instituição financeira informou que a Cobra é uma operação vital porque "presta serviços essenciais à atividade bancária do BB".

Segundo a instituição, o fato de ser controlador de uma empresa de tecnologia lhe dá o poder de intervir na gestão da companhia quando julgar necessário. "Fica menos arriscado para o BB contratá-la como única fornecedora de alguns serviços considerados críticos", declarou a estatal, acrescentando que a maior parte dos bancos de varejo nacionais costumam seguir o mesmo caminho.

Se é assim, então por que deixar definhar uma operação considerada estratégica? Segundo uma fonte do BB, o erro cometido pela instituição foi tentar transformar a Cobra em uma fornecedora de serviços e produtos para o mercado, e não apenas para o BB. "Essa ida para o mercado não foi bem-sucedida. Por isso a Cobra tende a se voltar cada vez mais para o banco."

Em 2002, cerca de 70% da receita da companhia vinha do BB, porcentagem que caiu para 66% em 2004. Hoje esta margem se aproxima de 75% e a tendência é de que cresça ainda mais nos próximos meses. "A verdade é que a Cobra precisa definir o que quer da vida. Tem que escolher se fica só com o banco ou se vai para o mercado", comenta a fonte do BB.

Desde que voltou com força ao mercado, há cerca de cinco anos, a Cobra foi alvo constante de críticas por intermediar a prestação de serviços entre empresas e o Banco do Brasil, que repassa projetos para a companhia sem realizar licitações. "O que não entendem é que a Cobra fazia sentido dentro do contexto histórico em que ela surgiu, no tempo da reserva de mercado", afirma o diretor de uma das fornecedoras da empresa. "Hoje mudou tudo. Não há mais espaço para essa situação com uma empresa pública."

A história da Cobra remonta ao ano de 1974, quando a indústria nacional, depois de tentativas frustradas de criar um microcomputador, decidiu montar uma empresa de tecnologia própria para dar cabo da empreitada. A idéia foi montar uma operação com capital do Estado, de um sócio privado nacional e de um sócio estrangeiro. Nascia assim o computador Argus 700, para treinamento da Marinha, produto da recém-criada Cobra Tecnologia, que recebeu investimentos do BNDES, da brasileira EE Eletrônica e da inglesa Ferranti. A chegada do Banco do Brasil se deu apenas em 1990, quando o BB se tornou acionista majoritário.

Hoje, ao constatar que a maior parte das empresas de tecnologia se aproximam da Cobra apenas com o propósito de vender indiretamente para o banco, a instituição não se incomoda. "Não vemos nada de errado nisso", diz a fonte do BB, adicionando que o banco está avaliando novas formas de aplicações de capital na empresa.

"O momento certo ainda não chegou. O fundo de créditos nos deu mais tempo para pensar", acrescenta a fonte. (AB)

Fonte: Valor Econômico



Escrito por Romildo, no RIO, às 13h08
[] [envie esta mensagem]



CASSAVETES NO CCBB (2)

Obra do diretor John Cassavetes tem mostra no Rio

Retrospectiva do norte-americano que é um dos símbolos do cinema independente vem a São Paulo em fevereiro

Com debates sobre o método do cineasta, organizadores do ciclo pretendem "irrigar a discussão em torno do cinema independente hoje no Brasil"

DA REPORTAGEM LOCAL

Autor de 12 longas cultuados por cinéfilos, mas de difícil acesso -sua obra é raramente vista no cinema, na TV e mesmo em edições em DVD-, o norte-americano John Cassavetes (1929-1989) é tema de retrospectiva que abre hoje no CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil), no Rio de Janeiro, e que vem a São Paulo em fevereiro do ano que vem, quando ocupará a Sala Cinemateca.

"Não queremos ficar saudando o mito, mas sim proporcionar que o cinema dele sirva como fonte inspiradora, para irrigar a discussão em torno do cinema independente hoje no Brasil", diz o cineasta Joel Pizzini, curador do programa.

O método de trabalho de Cassavetes, considerado um ícone do cinema independente, será debatido em duas mesas, hoje e no próximo sábado. Pizzini, que mediará os debates, enxerga "uma afinidade entre o cinema dele, esse cinema de tribo [realizado entre amigos e abordando temas familiares ao grupo] e o cinema novo" e acha curioso que essa relação não tenha sido mais explorada pelos próprios integrantes do movimento brasileiro e também pela crítica.

Uma das intenções de "Faces de Cassavetes" é que essa ponte seja estabelecida agora. Por isso, a mostra tem apoio do Tempo Glauber, entidade dedicada à preservação e divulgação da memória e da obra de Glauber Rocha (1939-81) e com "interesse em promover diálogos com autores contemporâneos de Glauber e do cinema novo", como diz Pizzini, marido de Paloma Rocha, filha de Glauber.

O curador diz que, para reunir os 18 filmes da mostra -12 dirigidos por Cassavetes, quatro em que ele atuou como ator e dois documentários a seu respeito- foi fundamental a colaboração de Al Ruban, produtor e câmera de Cassavetes, que viabilizou a vinda de cópias em película dos filmes "Sombras", "Uma Mulher sob Influência", "A Morte de um Bookmaker Chinês", "Faces" e "Noite de Estréia". Serão exibidos em digital "A Canção da Esperança", "Os Maridos", "Assim Falou o Amor", "Minha Esperança É Você", "Gloria", "Um Grande Problema" e "Amantes". (SA)

FACES DE CASSAVETES
Quando:
de hoje a 17/12
Onde: CCBB/RJ (r. Primeiro de Março, 66, tel. 0/ xx/21/ 3808-2020)
Quanto: R$ 8 (cine-passe válido para todas as sessões da sala, por 30 dias)

Fonte: Folha de S. Paulo



Escrito por Romildo, no RIO, às 15h25
[] [envie esta mensagem]



CASSAVETES NO CCBB

CCBB do Rio homenageia o ator e diretor John Cassavetes

Ele atuou em clássicos como O Bebê de Rosemary, de Roman Polanski e Os Doze Condenados, de Robert Aldrich; os filmes que dirigiu tratam de problemas de casais

Luiz Carlos Merten

Reprodução
John Cassavetes

SÃO PAULO - Num texto de 1961, no Jornal do Brasil, Glauber Rocha diz que Shadows, de John Cassavetes, representa a essência do cinema de autor. Quase 20 anos mais tarde, Glauber e Cassavetes concorreram em Veneza, em 1980. O júri ignorou A Idade da Terra e dividiu o Leão de Ouro entre Glória, de Cassavetes, e Atlantic City, de Louis Malle. Glauber denunciou a mediocridade do júri, submisso a Hollywood. Quis agredir Malle.

Há um enigma Cassavetes. Consciente de que a obra autoral do diretor é pouco conhecida no País, Joel Pizzini, cineasta e responsável (com Paloma Rocha) pela restauração da obra de Glauber, assina a curadoria da grande retrospectiva que começa nesta terã-feira no Rio. O Centro Cultural Banco do Brasil de lá vai exibir os 12 filmes que Cassavetes realizou, mais quatro que fez só como ator. Em fevereiro, a programação chega desfalcada a São Paulo, na Cinemateca. Os filmes incluem os cinco que o Grupo Estação adquiriu da distribuidora portuguesa Atalante (e vai lançar em 2007) - Shadows, Faces, A Woman under Influence, The Killing of a Chinese Bookie e Opening Night. Serão realizados dois debates, o primeiro nesta terça, com participação de Paulo César Saraceni e Helena Ignez; o próximo, dia 9.

O que Cassavetes ainda tem a nos dizer? Ator de clássicos hollywoodianos como Os Doze Condenados, de Robert Aldrich, e O Bebê de Rosemary, de Roman Polanski, Cassavetes construiu sua grande obra de autor na produção independente, à margem do cinemão. Seus filmes tratam dos problemas do casal, valorizam o ator, a sua capacidade de improvisação. Domingos Oliveira diz que o método Cassavetes de alguma forma antecipa o seu manifesto BOAA, em defesa do filme de baixo orçamento e alto-astral.

Fonte: Agência Estado



Escrito por Romildo, no RIO, às 15h18
[] [envie esta mensagem]



VIVENDO BEM

Associados da PREVI no Globo Repórter

Os dois associados mais idosos da PREVI são personagens do Globo Repórter. O programa será exibido pela TV Globo na sexta-feira, oito de dezembro, por volta das 22h, com reprise no fim de semana pela Globo News (sábado, às 9h05min, e domingo, às 13h05min). Inicialmente a exibição seria em novembro, mas a emissora decidiu adiar para dezembro. Intitulado “Como viver bem até os 100”, o programa também mostra a turma que já ultrapassou a marca dos 100. E, felizmente, esse grupo está representado por dois associados da PREVI: Enoch Periandro de Oliveira completou 102 anos em 28 de outubro e Hildergardo Doria de Mendonça chega aos 102 em abril de 2007. Ambos moram no Rio de Janeiro e vivem muito bem para a idade.

Centenários inteirões

Nascido em Santa Rita, na Paraíba, no mesmo ano da criação da PREVI, Enoch mantém-se disposto para as caminhadas diárias no calçadão de Copacabana, onde mora. Considera que a boa saúde se deve a três fatores: fé nos deuses e na natureza, leitura diária de livros e de jornais (pelo menos dois), e um bom vinho nos fins de semana. Entrou no Banco em 1930 e se aposentou em 1960. Tornou-se fundador-contribuinte da PREVI ao optar por nela permanecer em vez de se filiar ao antigo Instituto de Aposentadoria e Pensão dos Bancários (IAPB). As fotos do aniversário estão no site da PREVI.

Hildegardo Mendonça é sete meses mais novo que Enoch, mas diz ter 102 anos porque conta o ano já começado e incompleto. Seu Mendonça é poeta. São oito livros escritos e uma coletânea, Pedaços de Mim vol. I, publicada em 2005, com lançamento na sede da Associação Atlética Banco do Brasil (AABB). O segundo volume está pronto, aguardando apenas a edição gráfica. Até hoje, mantém a máquina de escrever Remington portátil, adquirida em 1956, onde escreveu seus versos. Alagoano de Penedo, cidade às margens do Rio São Francisco, conta ser contemporâneo do cangaceiro Lampião. Seu Mendonça iniciou carreira no BB em 1925 e aposentou-se em 1972. Depois ainda trabalhou no Banco Continental e na Superintendência Nacional da Marinha Mercante (Sunamam) por 14 anos. No período, foi convidado de honra do BB para a inauguração de agências nos EUA e na França.

Fonte: Previ



Escrito por Romildo, no RIO, às 13h00
[] [envie esta mensagem]



CRISE DA CASSI

Novo balancete da Cassi aponta déficit de mais de R$ 95 milhões

Os diretores eleitos da Cassi, Douglas Scortegagna e José Antonio Diniz, encaminharam ao Presidente do Banco do Brasil, Rossano Maranhão Pinto, no dia 1º de dezembro de 2006, carta contendo, em anexo, o balancete da entidade até outubro de 2006. Os números indicam que o déficit da Cassi subiu de R$ 88.673 mil (dados do balancete de até setembro de 2006) para R$ 95.215 mil.

No documento, os diretores ressaltaram a sua preocupação com a atual situação financeira da Cassi. Afirmaram ainda que, em reunião da diretoria executiva da Cassi no dia 27/11, registraram sua proposta para aplicação do artigo 20 do estatuto, pela antecipação por parte do BB de duas arrecadações mensais - uma vez que a Cassi já está utilizando reservas provisionadas no montante de aproximadamente R$ 72 milhões – a fim de garantir os recursos necessários à cobertura dos compromissos financeiros assumidos pela Cassi até dezembro deste ano.

No dia 21/11, os diretores já haviam enviado uma carta ao presidente do BB enaltecendo sua preocupação com o déficit da Cassi.

Fonte: Agência Anabb



Escrito por Romildo, no RIO, às 12h58
[] [envie esta mensagem]



TEATRO NO CCBB E BRASÍLIA

Alunos de escolas públicas participam de festival de teatro no CCBB

E aí, vendo a vida passar? Este é o tema proposto pela Fundação Athos Bulcão para as 12 escolas públicas que participam do Festival de Teatro na Escola 2006, que se inicia no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). O festival é o resultado de um projeto de oficinas de montagem teatral nas escolas públicas que é realizado pela fundação desde 2000, no Distrito Federal.

"O principal fundamento da iniciativa é  possibilitar as expressões lingüística e corporal dos alunos e, por meio delas, a elevação da auto-estima", afirmou a idealizadora e coordenadora do evento, Verônica Maia. Ela explicou que, por esse motivo, a escolha das escolas participantes, baseada na motivação dos alunos e professores, procura contemplar tanto as que já se mobilizam espontaneamente para o festival, quanto as que, no primeiro instante, não manifestam interesse algum em apresentar uma peça de teatro.

Por isso, o tema deste ano visa incitar professores e estudantes a se mobilizarem, a saírem de um estado de simples espectadores de suas condições sociais, humanas e educacionais, para um papel mais ativo, dinâmico e criador.

De acordo com Verônica, a partir do momento em que eles conseguem se expressar por meio do teatro, surge toda uma cadeia de progressos. "Os benefícios da participação são muitos. Mas um dos mais visíveis é a fluência verbal – tanto em vocabulário quanto em desinibição para se expressar", avaliou. Segundo Verônica, a dificuldade de dominar o português inviabiliza, muitas vezes, todo um processo educacional.

A coordenadora afirmou ainda que, nos workshops preparatórios para a escolha dos textos e nos ensaios foram detectadas duas grandes dificuldades entre os alunos: "O medo do fracasso e a barreira lingüística de quem não domina um falar mais culto", disse. O festival, explica ela, ajuda no combate a esses dois entraves ao desenvolvimento pleno da personalidade dos alunos – eles melhoram a imagem que têm de si mesmos e ingressam no mundo das artes.

Outro diferencial da iniciativa é a liberdade que as escolas têm na escolha do espetáculo que irão encenar. "Normalmente, são feitas releituras de peças conhecidas, mas também há algumas com textos da própria lavra dos alunos e ainda aquelas que são fiéis aos textos originais", disse Verônica.

Neste ano, a maioria dos textos, dez no total de 12, foram criados pelos próprios alunos. Os outros dois são adaptações de originais de   Samuel Beckett – Enquanto Godot Não Vem...O Que Fazemos em Um Ato – e de Gil Vicente – O Auto da Barca.

Os espetáculos são elaborados durante quatro meses, nos quais estudantes e professores trabalham conjuntamente com orientação quinzenal de professores de Artes Cênicas da Fundação Athos Bulcão. As escolas escolhidas para participar do festival recebem da fundação uma pequena ajuda de custo. Os trabalhos preparatórios são realizados nas escolas no contraturno das aulas ou nos finais de semana. Os alunos atuam como autores, atores, cenógrafos, sonoplastas, figurinistas, iluminadores e produtores.

Desde que o festival foi criado, as oficinas de montagem teatral já realizaram 84 espetáculos, 20 instalações cênicas, cinco leituras dramáticas, dez instalações e um seminário de dramaturgia. Em seis anos, cerca de 2.125 adolescentes e 80 professores participaram diretamente e foram assistidos por, aproximadamente, 80 mil espectadores.

Neste ano, no dia de encerramento do evento, no próximo domingo, será lançado, às 19h, o II Caderno de Dramaturgia do Festival. "A publicação traz textos que foram encenados nas edições passadas. Para nossa satisfação, temos notícia que alguns deles, criados por estudantes do Distrito Federal e que fazem parte do primeiro caderno, já foram encenados em diversas escolas do País", informou Verônica. Ela acrescentou ainda que trechos de peças do primeiro caderno também foram utilizados em provas do Programa de Avaliação Seriada (PAS).

Programação:

04/12 – segunda-feira
19h – Cerimônia de Abertura
19h30 – Brincadeira Curiosa - Escola de Meninos e Meninas do Parque
21h – Fragmentos – Centro Educacional 1 do Cruzeiro

05/12 – terça-feira
19h – A Volta do que Não Foi - Centro de Ensino Fundamental 16 da Ceilândia
21h – Vila do Alívio – Centro de Ensino Fundamental 17 da Ceilândia

07/12 – quinta-feira
19h – Imaginário da Vida Real - Centro de Ensino Fundamental 209 de Santa Maria
21h – Voltar Atrás É Melhor que Perder-se no Caminho – Centro de Ensino Fundamental 411 de Samambaia

08/12 – sexta-feira
19h – Me Contradigo Quando Digo Quem Sou – Centro de Ensino Médio 01 do Paranoá
21h – Enquanto Godot Não Vem... O que Fazemos em um Ato? – Centro de Ensino Médio 02 da Ceilândia

09/12 – sábado
16h – Falar - Centro Educacional do PAD -DF
19h – Quase Famosas - Centro de Ensino Fundamental 24 da Ceilândia
21h – O Auto da Barca - Farsa adaptada de uma vida passada – Centro Educacional do Lago Norte

10/12 – domingo
15h – No Sítio do ... – Centro de Ensino Fundamental Nossa Senhora de Fátima
17h - Encerramento


Festival de Teatro na Escola 2006 da Fundação Athos Bulcão – Dias 5, 7 e 8, às 19h e 21h. Sábado, dia 9, às 16h, 19h e 21h. Domingo, dia 10, às 15h, 17h e 19h. Entrada franca.

Fonte: Débora Xavier, do Jornal de Brasília



Escrito por Romildo, no RIO, às 12h38
[] [envie esta mensagem]



INVESTIMENTOS DA PREVI

Telemar remarca 3ª convocação de AGE para 15 de dezembro

A Telemar remarcou para dia 15 de dezembro, às 9h, a terceira convocação de assembléia geral extraordinária que examinará sua reformulação societária, que objetiva listar a empresa no Novo Mercado. A realização da reunião foi liberada depois que a Justiça, após consulta à CVM, liberou o voto de todos os preferencialistas. A empresa alterou o local do encontro para a Associação Atlética do Banco do Brasil, na Lagoa, no Rio de Janeiro, por conta do elevado número de acionistas que compareceram à primeira e à segunda convocação da Age.

Fonte: Último Segundo


JUSTIÇA LIBERA VOTO DE ACIONISTAS PREFERENCIAIS DA TELEMAR

Controladores poderão definir reestruturação societária da empresa. Acionistas minoritários temem perder com a mudança

A Telemar informou, nesta segunda-feira (4), que a Justiça reconsiderou decisão anterior e liberou todos os detentores de ações preferenciais a votar na assembléia que examinará a reestruturação societária da companhia. Assim, sócios que fazem parte do bloco de controle da Telemar (Fundo Previ e Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES) terão direito a voto na assembléia, que deve ocorrer até o fim do ano.

A briga judicial da reestruturação da Telemar se dá entre acionistas minoritários da empresa, que querem impedir a reestruturação societária da empresa, e os controladores (Previ, BNDES, GP Investimentos, entre outros). Os minoritários estão insatisfeitos com a reestruturação e se opõem ao valor de troca fixado pela companhia, em que uma ação ordinária (ON) vale 2,6 vezes o valor de uma preferencial (PN). Os minoritários temem perder com a mudança.

A decisão anterior, porém, acompanhava o entendimento dos minoritários: detentores de ações preferenciais com participação também em papéis ordinários ficariam impedidos de votar na assembléia. Entretanto, a suspensão da decisão está baseada em parecer da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão regulador em caso de reestruturações societárias. A CVM determina que todos os detentores de ações preferenciais, mesmo os que tenham também ações ordinárias, deverão votar na assembléia de mudança societária da companhia. (Com informações da Agência Estado e do Valor OnLine)

Fonte: G1



Escrito por Romildo, no RIO, às 12h31
[] [envie esta mensagem]



A FARRA DOS BANCOS

Itaú vira maior banco privado em ativos

Após concluir compra das operações do BankBoston no Brasil, instituição atinge R$ 201 bi e supera o rival Bradesco

Família Setubal ainda vê sua instituição passar a Caixa Econômica, se considerados os bancos públicos; em depósitos, Bradesco é líder

NEY HAYASHI DA CRUZ
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

Depois de finalizar a compra das operações do BankBoston no Brasil, o Itaú conseguiu ultrapassar o Bradesco e se consolidou como o maior banco privado do país. Segundo levantamento feito pelo Banco Central a partir dos balanços das instituições de setembro, o Itaú encerrou o terceiro trimestre com ativos totais de R$ 201,3 bilhões, quase R$ 6 bilhões a mais que os de seu rival.

Ainda de acordo com o BC, o banco da família Setubal também superou a Caixa Econômica Federal em volume de ativos e, portanto, assumiu a segunda colocação no ranking geral das maiores instituições financeiras do país, atrás apenas do Banco do Brasil.

Os números consideram apenas as instituições financeiras que fazem parte do conglomerado de cada banco. Subsidiárias dos bancos que não atuam no sistema financeiro -como administradoras de cartões de crédito e seguradoras- não entram no cálculo do BC.

Em relação ao segundo trimestre, os ativos do Itaú aumentaram R$ 35 bilhões. Em geral, os ativos dos bancos crescem de acordo com uma série de fatores, como o aumento na concessão de crédito e nas aplicações em títulos públicos -financiados, na maioria dos casos, pelo crescimento nos depósitos de seus clientes.

Mas, no caso do Itaú, a compra do BankBoston foi fundamental para o salto no ranking: no final do segundo trimestre, os ativos do banco norte-americano no Brasil somavam R$ 22,013 bilhões. Sem essa diferença, o Bradesco teria se mantido como o maior banco privado do país, posição que ocupava no ranking do BC desde 1998.

Na comparação com setembro do ano passado, os dez maiores bancos do país em ativos continuam os mesmos, com mudanças apenas na ordem: além da ascensão do Itaú, o ABN Real subiu um degrau, depois de ultrapassar o Santander Banespa.

Depósitos
Apesar da queda no ranking por ativos, o Bradesco se manteve como líder, entre os bancos privados, na captação de depósitos: o saldo mantido por seus clientes em poupança, conta corrente e aplicações em CDBs era de R$ 78,988 bilhões em setembro. O Itaú vem logo a seguir, com depósitos totais de R$ 56,461 bilhões.

Seguindo esse critério, BB e Caixa Econômica lideram o ranking geral: juntos, os dois bancos federais têm mais de R$ 260 bilhões em depósitos.

Só a Caixa possui, sozinha, um saldo em cadernetas de poupança de R$ 57 bilhões, que supera a soma das aplicações feitas pelos clientes no Bradesco e no Itaú nessa modalidade de investimento.

Mudanças nas posições nesse tipo de ranking, porém, têm pouco impacto nas operações das instituições financeiras. "Isso é uma questão muito mais de marketing", diz Edson Carminatti, analista do Inepad (Instituto de Ensino e Pesquisa em Administração).

De acordo com Carminatti, "a preocupação do Itaú ao comprar o BankBoston não era se tornar o maior banco. É claro que isso traz uma certa publicidade, mas o objetivo não era esse, eles queriam ganhar força em segmentos específicos do mercado".

Com a aquisição, diz o analista, o Itaú ganhou força na administração de recursos de terceiros -por meio de fundos de investimento- e no mercado de clientes de renda mais alta. Em compensação, o BankBoston tinha um volume relativamente pequeno de depósitos, o que explica a folga que o Bradesco manteve nesse quesito.

Fonte: Folha de S. Paulo



Escrito por Romildo, no RIO, às 11h29
[] [envie esta mensagem]



AVISO AOS BBNAUTAS

Nestes dias este BBlog vai receber poucas notas, pois encontro-me em viagem, participando de alguns eventos. Durante o dia de ontem participei de reunião do Grupo Assessor de Previdência, da Anabb, que discutiu profundamente questões relacionadas à Previ, principalmente no que diz respeito à utilização da reserva especial (resultante do superavit acumulado, inclusive o previsto para o corrente ano).

A propósito, a o site da Anabb realizou pesquisa sobre este tema. Leia a seguir o resultado. Antes, porém, informo que nestas quarta e quinta-feiras estarei participando, na Previ, de reunião do Conselho Consultivo do Plano 1, do qual estou como coordenador.

"Maioria dos participantes de enquete prefere aumento de benefício da Previ

Em uma semana no site da ANABB, a enquete, que perguntou “O que você gostaria que fosse feito com a reserva especial (sobra de receita) da Previ este ano?” teve a participação de 1.394 internautas. A maioria dos participantes (62%) disse que a sobra de receita da Previ deveria ser usada para aumentar o valor do benefício.

Para 25%, essa reserva deveria ser utilizada para devolver dinheiro aos associados. Uma parcela de 7% gostaria que esses recursos fossem usados para zerar a contribuição. Já 2% dos participantes disseram que a reserva especial deveria ser usada para diminuir o tempo de contribuição, e o mesmo percentual apontou que a sobra de receita deveria ser aplicada de outra forma. A minoria (1%) gostaria que esses recursos fossem investidos na carteira de pecúlio."



Escrito por Romildo, no RIO, às 11h19
[] [envie esta mensagem]



INVESTIMENTOS DA PREVI

Embraer só perde para Boeing e Airbus em jatos comerciais

Com avião de até 118 lugares, empresa brasileira ultrapassa Bombardier e obtém pedidos no valor recorde de US$ 13,3 bi

Empresa passou a atuar em segmento no qual não há concorrência; preço maior das aeronaves elevou o valor da carteira de pedidos

CLÁUDIA TREVISAN
DA REPORTAGEM LOCAL

A brasileira Embraer superou sua maior concorrente, a canadense Bombardier, e assumiu o posto de terceira maior fabricante de jatos comerciais do mundo, atrás apenas da Boeing e da Airbus.

No dia 20 de novembro, a Embraer tinha pedidos firmes de 454 aviões, 417% a mais que a Bombardier, segundo a consultoria norte-americana Back Aviation Solutions. Os dados não incluem o segmento de jatos executivos, no qual a canadense tem maior participação.

"A Embraer não pode mais ser ignorada pelos investidores globais no setor aeroespacial e deve ser considerada ao lado de Boeing e Airbus", escreveu o analista Ronald Epstein em relatório da Merrill Lynch divulgado no dia 20 de novembro.

O que mudou a posição da empresa brasileira foi a decisão de produzir uma família de aviões maiores que os jatos regionais de até 50 lugares que eram sua marca registrada.

Com capacidade para até 118 passageiros, as novas aeronaves começaram a chegar ao mercado em 2004, em um momento de recuperação da aviação comercial e de saturação do mercado norte-americano para aviões de pequeno porte.

Maior cliente da aviação mundial, os Estados Unidos são o principal destino dos aviões da Embraer, que exporta quase toda a sua produção.
Outro fator que catapultou as vendas da companhia foi a virtual ausência de concorrência no segmento de aviões de 70 a 120 lugares, alvo da nova família, batizada de 170/190.

O mercado de aviação é dividido entre as grandes Boeing e Airbus, que fabricam aviões com mais de 120 lugares, e Bombardier e Embraer, que investiam em jatos menores.

A empresa, sediada em São José dos Campos (SP), decidiu ocupar o espaço vazio entre os aviões regionais e os de grande porte. Lançado em 1999, o projeto consumiu investimentos de US$ 1 bilhão e começou a dar frutos em 2004, com a entrega dos primeiros E-170 para a polonesa Lot, a italiana Alitalia e a norte-americana US Airways.

Mas o grande sucesso da família, o E-190, só saiu da linha de montagem em setembro de 2005, para integrar a frota da Jet Blue (EUA), que comprou 101 aeronaves. Um ano depois, começou a ser entregue o último modelo, o E-195.

"Não há nada no mercado nesse tamanho", afirma Gueric Dechavanne, diretor da Back Aviation Solutions.

O sucesso se reflete no aumento do número de pedidos. No fim de 2005, a Embraer tinha US$ 10,4 bilhões em carteira, pouco menos que os US$ 10,7 bilhões da Bombardier -esses números incluem aviação comercial e executiva.

Os resultados do terceiro trimestre de 2006 mostram que a empresa brasileira já tinha US$ 13,3 bilhões de pedidos em carteira, comparados a US$ 11,7 bilhões da canadense.

"Esse é o mais alto nível de pedidos da história da Embraer", destaca Caio Dias, analista de aviação e transporte do Santander. A principal razão para a brasileira ter superado a canadense no valor dos pedidos é o maior preço dos aviões da família 170/190. O maior deles, o E-195, custa US$ 35 milhões, 60% a mais que o maior jato regional, o RJ-145, de 50 lugares.

Fonte: Folha de S. Paulo



Escrito por Romildo, em Curitiba, às 11h53
[] [envie esta mensagem]



A FARRA DAS DÍVIDAS

Procon lança projeto de auxílio para quem está superendividado

SÃO PAULO - Os consumidores superendividados passivos do Estado de São Paulo já contam com uma ajuda para sair do vermelho. A Fundação Procon, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania começou, nesta sexta-feira (01), a atender pessoas com o problema.

Por meio da página na internet (www.procon.sp.gov.br) e de Caixa Postal, a fundação pretende intervir junto aos credores para melhorar o andamento das negociações com os consumidores. Todos os casos deverão ser explicados no site do Procon e, diante dos dados, os técnicos analisarão a melhor forma de mediação com o fornecedor ou de orientação.

Superendividado passivo
A pessoa que não consegue pagar as dívidas por causa de incidentes, como perda de emprego ou morte de algum familiar, é denominada superendividada passiva. Isso porque as dívidas não são obtidas porque a pessoa gasta mais do que pode, mas porque algo interrompeu o pagamento.

Já as pessoas que não conseguem arcar com as despesas e não conseguem equilibrar as dívidas, o Procon realizará uma segunda etapa de ajuda, por meio de palestras que orientarão o consumo consciente.

Projeto
Os consumidores superendividados ainda poderão relatar o caso ao Procon, com o objetivo de receber auxílio, por meio de uma carta à Caixa Postal 3050, CEP 01061-970, São Paulo-SP, na qual deve conter o motivo principal para estar no vermelho, cópias de documentos que comprovem o fato, nome, endereço e telefone.

O projeto Núcleo de Tratamento ao Superendividado tem como objetivo alertar a sociedade sobre o problema que não repercute somente para a pessoa que tem dívidas, mas em toda a economia.
 
Fonte: UOL Economia


Escrito por Romildo, em Curitiba, às 09h10
[] [envie esta mensagem]



CASSAVETES NO CCBB DE SÃO PAULO

John Cassavetes ganha grande retrospectiva no CCBB

Luiz Carlos Merten

SÃO PAULO - Começa terça, no CCBB do Rio, a grande retrospectiva que vai trazer ao Brasil, com curadoria de Joel Pizzini, todos os filmes realizados pelo ator e diretor John Cassavetes. O CCBB de São Paulo não abrigará o evento e, assim, apenas uma pequena parcela daquilo que os cariocas verão em película será exibida, em DVD, na Sala Cinemateca, em fevereiro. Um dos filmes que integram o programa, mostrando o Cassavetes ator, é O Bebê de Rosemary, o clássico de Roman Polanski.

A jovem Mia Farrow faz Rosemary, a recém-casada que se muda para prédio um tanto lúgubre (o Dakota) de Nova York. Ela desconfia dos vizinhos e, aos poucos, descobre que está no centro de uma conspiração para gerar o filho do Diabo. Cassavetes faz o marido canalha, um ator que, por ambição, reproduz a tragédia de Fausto e vende a alma, quer dizer, a mulher, a ao capeta para obter sucesso. Com base no livro de Ira Levin, Polanski fez um filme que virou referência para os estudiosos de sua vida (e obra). Mia Farrow é excepcional no papel e o filme culmina com aquela cena-chave que expressa o tema de Polanski - o conflito entre o instinto materno e a cultura repressora.

Fonte: Agência Estado



Escrito por Romildo, em Curitiba, às 08h55
[] [envie esta mensagem]



A FARRA DOS BANCOS

Adiamento de conta salário racha Febraban

Santander diz que medida poderá entrar em vigor sem chance de pane; Nossa Caixa afirma que há risco

SHEILA D'AMORIM
DA SUCURSAL DE BRASÍLIA

O adiamento da entrada em vigor da nova conta salário -instrumento que permitirá ao trabalhador transferir, sem custo, seus rendimentos do banco utilizado pela empresa para o da sua preferência- gerou uma racha até mesmo na Febraban (Federação Brasileira dos Bancos).

Embora esteja previsto para entrar em funcionamento no mês que vem, os bancos alegam que não têm condições de operacionalizar a nova modalidade de conta. Em nota oficial, a Febraban confirma informação, divulgada pela Folha, de que pediu ao BC (Banco Central) um prazo maior para implementar o novo instrumento.

O argumento técnico para o pedido é a "necessidade de todos os bancos adaptarem seus sistemas a fim de atender a demanda dos clientes".

Segundo Jorge Higashino, superintendente de projetos especiais da Febraban, a entidade apóia o objetivo da medida de dar mais liberdade ao trabalhador, mas alega que vários detalhes relativos aos procedimentos que terão que ser adotados pelos bancos para efetuar a transferência automática dos salários não foram regulamentados devidamente pelo Banco Central.

Com isso, nem todos os bancos estão devidamente adaptados e "há riscos de problemas". Ele afirma que a entidade não entra no mérito de questões políticas ou de competição entre os bancos. Afirma ainda que a preocupação é fazer uma transição tranquila para o novo sistema.

Segundo a Folha apurou, no entanto, além das questões técnicas, há uma queda de braços política entre o banco Santander e a Nossa Caixa. O primeiro é o responsável pelo pagamento do 1,1 milhão de servidores do governo de São Paulo desde a privatização do Banespa, em 2000. Pelo contrato de venda, essa exclusividade acaba este ano. A Nossa Caixa assumirá a função.

Em reunião recente da diretoria da Febraban, o debate teria ficado polarizado entre as duas instituições. O Santander alega que a medida pode entrar em vigor sem risco de pane. A Nossa Caixa afirma que não.

"Hoje, temos uma quantidade "x" de transferências eletrônicas (TED) rodando no sistema, se apenas 10% dos assalariados resolverem fazer TED a partir de janeiro, o sistema [dos bancos] não agüenta", afirma o presidente da Nossa Caixa, Carlos Eduardo Monteiro. "Pode haver uma trava no sistema", completa.

Higashino, porém, minimiza esse risco de o sistema parar. "Não sei se tem [risco de trava] porque não temos nem idéia de qual será o universo [de trabalhadores que irão aderir à nova conta]. Mas não podemos correr risco e temos que estar preparados".

Segundo ele, o problema da sobrecarga com aumento de transferências eletrônicas já está sendo trabalhado com o BC. Para Higashino, o risco maior é que bancos que não estejam completamente adaptados para operar as transferências (fazendo os registros e cumprindo os prazos estabelecidos na regulamentação já publicada) criem problemas para os que já estão prontos.

Monteiro nega ainda que haja interesse do governador eleito de São Paulo, José Serra, de criar uma exceção para o funcionalismo público para poder terceirizar o pagamento da folha de salário do Estado. "Isso não tem fundamento. O pleito [de Serra] de deixar de fora os funcionários públicos é para não gerar prejuízo para Nossa Caixa, que é um banco público", diz, referindo-se à importância para o banco de movimentar os recursos do Estado.

Fonte: Folha de S. Paulo



Escrito por Romildo, em Curitiba, às 06h45
[] [envie esta mensagem]



APOSENTADORIA: UM POUCO MAIS DISTANTE

INSS divulga tabela que reduz valor das aposentadorias

O Ministério da Previdência divulgou no final da tarde desta sexta a tabela do fator previdenciário que começou a valer hoje, alterada pelo aumento da expectativa de vida do brasileiro.

A tabela pode ser acessada no site da Previdência. Com ela, o segurado pode multiplicar a média do rendimento mensal pelo número correspondente à idade e ao tempo de contribuição para saber de quanto seria o seu benefício se a aposentadoria fosse solicitada hoje.

Por exemplo: um segurado de 57 anos de idade e 37 anos de tempo de contribuição tinha, até ontem fator previdenciário igual a 0,843. A partir de hoje, esse número cai para 0,840.

Na prática, se ele tem rendimento mensal médio de R$ 500, seu benefício, que seria de R$ 421,91 até ontem, cairá para R$ 420,08 hoje.

Se o rendimento médio mensal for como o teto do INSS, de R$ 2.801,82, o benefício será reduzido de R$ 2.364,24 para R$ 2.353,96.

Fator

O fator previdenciário é uma fórmula usada pelo governo para calcular o valor dos benefícios e leva em conta o tempo de contribuição, a idade e a expectativa de vida do segurado. Na prática, o fator previdenciário reduz o benefício de quem se aposenta antes e premia o trabalhador que contribui por mais tempo.

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas) divulgou nesta sexta-feira que a expectativa de vida do brasileiro aumentou em dois meses, pulando de 71,7 para 71,9. A tabela do fator previdenciário é refeita a cada divulgação anual do IBGE.

O resultado, segundo Newton Conde, atuário especializado em previdência, diretor da Conde Consultoria e professor da USP, é que o trabalhador que resolver se aposentar a partir de agora receberá um benefício em média 0,44% menor daquele que ganharia até ontem. Se optar por manter o valor antigo, o brasileiro deverá trabalhar --e contribuir para a Previdência-- entre um e dois meses a mais.

Fonte: Folha Online



Escrito por Romildo, em Curitiba, às 22h06
[] [envie esta mensagem]



INVESTIMENTOS DA PREVI

Previ e BNDES poderão votar na AGE de reestruturação da Telemar, diz CVM

Em mais um episódio do conturbado processo que visa a reestruturação das empresas do Grupo Telemar, a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) emitiu comunicado sinalizando que todos os acionistas detentores de ações preferenciais poderão votar na assembléia que vai deliberar sobre o caso.Na última semana, a Justiça do Rio de Janeiro concedeu uma liminar suspendendo a realização da terceira assembléia que iria deliberar a reestruturação e outra impedindo Previ e BNDES - controladores possuem ações preferenciais - de votar na assembléia.

A participação dos dois é de quase 7% dos papéis preferenciais da Telemar.

A premissa apresentada era a de que esses acionistas, também detentores de ações ordinárias, não poderiam votar porque estariam apreciando uma matéria que geraria um 'benefício particular', o que é proibido pela CVM.

Impasse sobre a reestruturação se foca na relação de troca

O impasse sobre a reestruturação se foca na relação de troca de 2,6 ações preferenciais da Telemar para uma ação ordinária da OI Participações, holding que será criada e vai concentrar as operações de todas as empresas do Grupo. Os preferencialistas acreditam que esta relação de troca é injusta.

Em agosto, impedindo os acionistas detentores de ações ordinárias de votar sobre o caso, a CVM publicou um parecer de orientação a respeito do impedimento de voto em casos de benefício particular nas operações de incorporação em que sejam atribuídos diferentes valores para diferentes classes de ações.

De acordo com o parecer, nas situações em que o objetivo é a unificação das espécies de ações ou a migração para segmentos especiais de listagem, os acionistas beneficiados pela relação de troca estarão impedidos de votar sobre a aprovação das propostas de incorporação, o que no caso da Telemar atinge os acionistas detentores de ações ordinárias.

Sucesso da reestruturação ainda é incerto

Apesar de a possibilidade de os acionistas controladores detentores de ações preferenciais votarem na assembléia de reestruturação do Grupo Telemar se apresentar como um ponto favorável a aprovação da medida, isso não significa que ela será aprovada.

Uma série de importantes acionistas e fundos de investimentos já anunciaram que não concordam com a relação de troca das ações e que vão votar contra a medida.

É interessante lembrar que, ao contrário das duas últimas assembléias marcadas para votar a reestruturação, que foram invalidadas devido à falta de quorum, o próximo encontro de acionistas será o último e decisivo. Nesta terceira assembléia, o quorum mínimo cairia para 25% dos preferencialistas. Nos eventos anteriores, o quorum foi de 50% dos preferencialistas.

Pontos a serem avaliados pelos acionistas

Dentre os analistas que sugerem adesão à reestruturação, salienta-se que os papéis da nova holding, a OI Participações, deverão ter maior liquidez, padrões mais elevados de governança corporativa e uma política de dividendos mais transparente.

Na ponta contrária, os acionistas detentores de papéis preferenciais terão sua participação na empresa diluída. Os detentores de ações ordinárias terão sua participação ampliada de aproximadamente 13% para 22% do capital total da nova companhia, enquanto os preferencialistas passarão de cerca de 54% para 36%.

Em complemento, ressalta-se que os novos papéis da Telemar seriam negociados em um patamar em linha ou levemente abaixo frente os múltiplos atuais, passado o período inicial de euforia causada pela distribuição de altos dividendos. Outro ponto levantado é que a reestruturação diminui a possibilidade de venda futura da Telemar.

Fonte: Último Segundo



Escrito por Romildo, em Curitiba, às 21h52
[] [envie esta mensagem]



A AABB E A COMUNIDADE

AABB Comunidade realiza piquenique em Maracaju

As crianças do Programa Integração AABB Comunidade e seus educadores estiveram no dia 30 de novembro, no clube AFUCOTRI, onde realizaram um piquenique muito saboroso com alimentos enriquecidos com farelo de trigo, folhas e legumes de alto valor nutritivo. Foram saboreados: chipa de mandioca, bolo Peteleco enriquecido, torta de repolho, bolo de cenoura, gelatina, frutas e chá gelado.

Segundo a Coordenadora do Projeto ABBB Comunidade, Symone Marcondes de Lima Siede, com o projeto Alimentação Sustentável, os educandos e educadores estão aprendendo a valorizar os alimentos orgânicos que são mais saudáveis e contribuem para uma melhor qualidade de vida e consciência sócio-ambiental. Hoje o projeto ABBB Comunidade em Maracaju, atende 100 crianças na faixa etária de 7 a 17 anos.

Fonte: Maracaju News



Escrito por Romildo, em Curitiba, às 21h48
[] [envie esta mensagem]



MEMÓRIA DO SINDICALISMO GAÚCHO

Projeto Memória Bancária guarda história do Sindicato

Em solenidade realizada nesta quinta-feira, dia 30, na Casa dos Bancários, no centro da capital, o Sindicato dos Bancários de Porto Alegre e Região (SindBancários) e a Caixa Econômica Federal assinaram um contrato de patrocínio para o projeto de Memória Bancária e Cultural do Sindicato. A parceria visa resgatar, organizar, digitalizar e preservar o acervo histórico e cultural da entidade.

Pelo SindBancários, o contrato foi assinado pelo presidente Juberlei Bacelo e pelo diretor financeiro Devanir Camargo da Silva. Pela Caixa, subscreveu o superintendente regional Valdemir Cola.

O projeto, além de preservar o acervo de 73 anos de lutas dos bancários, fará com que a categoria e a sociedade possam acessar esse material para fins de consulta, servindo de estudo para universitários e pesquisadores.

As atividades contempladas no projeto são: levantamento da tipologia documental, elaboração do quadro de arranjo, reorganização das séries documentais, digitalização dos documentos selecionados, transferência de suporte de conteúdo em fitas VHS para discos DVD, elaboração do guia de acervo para pesquisa e conclusão do projeto.

O evento foi apresentado pelo diretor do Sindicato, Sandro Rodrigues, um dos idealizadores do projeto. “A entidade tem uma história de lutas e conquistas que não pode passar em branco e precisa ser preservada para documentação e pesquisa”, destacou.

 

“O que será do futuro se não resgatarmos o passado”, salientou Juberlei, que agradeceu a parceria da Caixa. Para ele, “o projeto é uma forma de disponibilizar a história de lutas dos bancários para a sociedade”.

 

Cola parabenizou o Sindicato pelo projeto, destacando que “é importante para a categoria, para a Caixa e para a sociedade”. O superintendente aproveitou que esse patrocínio é mais uma das iniciativas culturais da Caixa em Porto Alegre. Ele lembrou o investimento de R$ 15 milhões no Centro Cultural da Caixa e os apoios ao Museu do Rio Grande do Sul, Museu de Comunicação, Santa Casa de Misericórdia e Feira do Livro.

 

O gerente da Caixa, Danilo Pickhordt, elogiou a recuperação da antiga Sede Ladeira do Sindicato, que foi revitalizada e inaugurada no último dia 28 de agosto como Casa dos Bancários. Para ele, “é fundamental preservar o acervo do Sindicato e é uma satisfação para a Caixa ser parceira desse projeto”.

 

A digitalização de documentos, fotografias e jornais será executada pela Scripta Arquivos e Informações. Segundo o gerente Eduardi Miranda Siufi, “nossa preocupação é dar importância para esse acervo, a fim de preservá-lo e disponibilizá-lo para todos os interessados”. A recuperação de fitas e filmes será feita pela Arqvive.

 

A campanha de marketing do projeto será elaborada pela Interlig Propaganda, que presta assessoria para o SindBancários. Segundo o diretor de criação e estratégia Henrique Pereira, “feliz quem conhece a sua história e a história do Sindicato se confunde com a história do movimento sindical”.

 

Fonte: Bancários POA



Escrito por Romildo, em Curitiba, às 21h46
[] [envie esta mensagem]



'UNIDOS VENCEREMOS"

BB e Bradesco devem compartilhar caixas no início de 2007
 
O vice-presidente de Varejo e Distribuição do Banco do Brasil, Antonio Francisco de Lima Neto, afirmou hoje que o compartilhamento de caixas eletrônicos com o Bradesco deve ter início no próximo ano.

"Nós assinamos um acordo de intenções com o Bradesco e queremos até o início do ano que vem trazer o banco para compartilhar conosco, nos terminais externos. Em breve deveremos fazer um anúncio das duas instituições", afirmou o executivo, que participou hoje da apresentação dos dados financeiros do BB a analistas e investidores, em São Paulo.

Segundo ele, ainda em dezembro as duas instituições devem entrar na fase de testes para colocar as operações no ar a partir do ano que vem.

Segundo ele, a intenção é fazer o compartilhamento também com outros bancos e já existem conversas neste sentido. "Não só o Bradesco mas outros bancos também podem fazer parte." "É claro que estamos conversando a mais tempo com a Caixa Econômica e o Bradesco, mas nada impede de trazermos outros bancos no meio do caminho."

O BB e a Caixa já estão compartilhando terminais desde fevereiro deste ano. O presidente do BB, Rossano Maranhão, afirmou que a operação com a Caixa foi "muito bem sucedida".

"Temos 42.580 terminais, nós conhecemos muito bem o que é a logística, o custo e a importância desses terminais. Nós iniciamos essa ação pioneira com a Caixa Econômica que mostrou ser uma ação muito bem sucedida, principalmente em um cenário de queda de taxa de juros e de melhoria de atendimento", disse.

De acordo com ele, trata-se de um avanço para o sistema financeiro nacional e quanto mais instituições financeiras aderirem ao conceito, melhor para os bancos, os clientes e a sociedade.

"Na medida em que você tem uma maior mobilidade de colocação de terminais e compartilha os seus custos, isso melhora o seu nível de eficiência, reduz a sua necessidade de compra de terminais e permite uma realocação."
 
Fonte: Agora MS


Escrito por Romildo, em Curitiba, às 21h40
[] [envie esta mensagem]



A FARRA DO CRÉDITO

Governo dobra limite máximo de empréstimos do microcrédito

BRASÍLIA - Para ajudar as instituições financeiras a cumprir o limite de aplicação no microcrédito, o Conselho Monetário Nacional (CMN) dobrou, na média, os tetos das três faixas dessas operações.

No fim de outubro, os bancos aplicavam somente 58% (R$ 982 milhões) dos 2% de depósitos à vista obrigatórios, cuja média de 12 meses estava em R$ 1,6 bilhão.

"Estamos flexibilizando, para atingir o objetivo de ampliar o microcrédito" , justificou o diretor de Normas do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, lembrando que há um teto de 2% de juros mensais para essas operações.

Com o aumento dos limites dos empréstimos, os bancos que operam o microcrédito deixam de perder dinheiro, pois a parcela não aplicada (os 42%) é depositada, sem remuneração, no BC.

O limite do empréstimo nas contas simplificadas para pessoas físicas sobe de R$ 600 para R$ 1.000. Nas operações a empreendimentos produtivos, passa de R$ 1.500 para R$ 3.000 e no microcrédito produtivo, com acompanhamento técnico, sai de R$ 5.000 para R$ 10.000.

Outra mudança é na taxa de abertura da operação, que antes variava entre 2% e 4% do valor do empréstimo, e agora foi fixada em 3%.

Tombini afirmou que, ao lançar o programa em 2003, o governo queria um alcance maior do projeto para levar crédito a quem estava fora do sistema bancário. Por isso, fixou limites menores.

Para o assessor do Ministério da Fazenda, Gilson Bittencourt, o fato de estarem sobrando recursos do microcrédito nos bancos não significa que o programa seja um fracasso.

"Estamos crescendo, mês a mês, e à medida que os juros estão em queda, a taxa de 2% torna-se atrativa para as instituições financeiras aumentarem a aplicação " , afirmou.

Segundo Bittencourt, já foram realizadas 19,954 milhões de operações, no valor de R$ 3,7 bilhões, no microcrédito para uso livre, ou seja, a faixa destinada a pessoas físicas.

Para os microempreendimentos, foram emprestados R$ 233 milhões em 336 mil operações, desde o início do programa.

"Essas flexibilizações são para estimular o microcrédito e mostrar aos bancos que é uma política que veio para ficar", afirmou o técnico da Fazenda. (Azelma Rodrigues/Valor Online)
 
Fonte: UOL Economia


Escrito por Romildo, em Curitiba, às 01h06
[] [envie esta mensagem]




[ ver mensagens anteriores ]